sábado, 25 de setembro de 2010

Primeiros Socorros em Mergulho - "auto-resgate"






Esta é a primeira de uma série de observações e relatos de experiências vividas, sobre o tema Primeiro Socorros em acidentes com mergulhadores e algo a respeito de como age um Mergulhador de Resgate (Rescue Diver), além de protocolos de emergência, etc.
Começo pelo “auto-resgate”. Como em quase todas as situações da vida, você deve conseguir se ajudar/cuidar antes de poder ajudar/cuidar do outro. Em mergulho, a confiança que seu dupla tem em você é muito importante, como o contrário seria interessante também. Para que esta confiança seja mais efetiva, ao ser um mergulhador que se prepara e entende de seus equipamentos e fisiologia para prevenir acidentes, já manifesta uma segurança percebida no seu modo de lidar fora e dentro da água.
Segundo o meu curso de Rescue Diver, feito em Arraial do Cabo-RJ, com a bandeira da PADI, em 2005, o auto-resgate pode ser dividido em três partes: preparação, prevenção e desempenho.
Na preparação, sua auto-suficiência começa com o seu preparo físico e mental. Na prática, quando se mergulha muito (não sei se mergulhei muito, mas até hoje 25 de Setembro de 2010, tenho mais de cem mergulhos logados), observa-se toda a sorte de mergulhadores, digo isto além da língua distinta (sempre se encontram estrangeiros), são homens, mulheres, adolescentes e até crianças, todos com o seu físico diferenciado, uns mais atléticos, outros mais obesos e ainda muito magros. O fato é que, um mergulhador de resgate tem de fazer exercícios regularmente, manter uma dieta balanceada, etc. para que esteja apto para possíveis situações de emergência. E, o que se observa é que a maioria não se exercita, sucumbindo à fome após o mergulho.
            Além de exercícios físicos, a tranquilidade e segurança há de ser obtidas com a manutenção de sua mente sã, incluindo aí estudos contínuos sobre os temas técnicos de mergulho, manter sua autoconfiança, sem exceder limites que podem causar acidentes, conhecer bem os equipamentos de mergulho. Tudo isto lhe traz mais segurança e tranquilidade.
            Na prevenção, basicamente, há de se antever ou ainda atecipar-se a possíveis problemas. Por exemplo, fazer a manutenção de seus equipamentos com freqüência, testando-os sempre antes de qualquer mergulho. Verificar o seu estoque de ar com frequência, dirigir-se á saída com uma reserva de ar mais ampla que o habitual. Reconhecer problemas como esforço excessivo, hipotermia, vertigem, etc.
            Na performance, encontra-se a condição mais subjetiva do auto-resgate, pois aí vão estar envolvidos ações tecnicamente corretas aliadas à calma e rápidas e deliberadas decisões. Para facilitar isto, no meu curso, tenta-se objetivar-se tal etapa com quatro pontos, em caso de alguma situação emergencial:

·         PARE
·         RESPIRE
·         PENSE
·         AJA

Caso não consiga solucionar a situação, pare e repita a operação e, em hipótese alguma deixe de respirar calmamente.

Todo mergulhador cedo ou tarde passa por alguma situação em que ele deverá utilizar-se deste auto-resgate, até mesmo como ajuda primordial ao seu dupla. Eu também já passei por algumas poucas e boas! Mas se você está preparado para ficar simplesmente calmo e respirando vagarosamente, conseguirá contornar a situação, seja ela qual for, sempre há solução, não se esqueçam disso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário